sábado, 24 de julho de 2010

Salsa inaugura loja online

Antes de mais: Boas Férias aos que se podem dar a esse privilégio neste verão (I hope many of you!)...

Para todos aqueles que continuam a ter pouco tempo livre fica aqui uma novissima sugestão: visitar a nova loja online da Salsa (que foi inaugurada na passada quinta-feira) para fazer as vossas comprinhas... http://store.salsajeans.com


É suspeito estar a anunciar-vos esta abertura com tanto entusiasmo, visto trabalhar com as pessoas que desenvolveram este site na Salsa...mas admito que foi uma experiência super interessante ver como o site foi surgindo. O que vos posso garantir é que um site assim dá muito trabalhinho! Esta será certamente uma das melhores lojas online do mercado (isto, se não mesmo a melhor)!
Nada foi deixado ao acaso... o cliente pode contactar por Chat com o apoio cliente...pode experimentar as peças num "fitting room"... descobrir que tamanhos deve comprar ao indicar as suas medidas... ler sobre as últimas tendências de moda ou fazer um tour virtual pela loja... uma verdadeira EXPERIÊNCIA.


Curiosamente a divulgação inicial do site será feita pricipalemente através da própria internet... e em poucos dias já se vê que a estratégia funciona! O primeiro comunicado foi feito no Facebook, com adesão dos fãs nacionais e internacionais e aos clientes que fazem parte do programa de fidelização da Salsa - o Salsa Star (que recria uma comunidade online com benefícios crescentes aos clientes mais frequentes).

Este novo site coloca a Salsa entre as empresas portuguesas com maior presença na world wide web e certamente servirá de case study a muitos trabalhos no futuro...por isso, para quem gosta de Webmarketing...e da Salsa (claro!)... seguir as inovações desta marca motivara muitas empresas e marketeers a entrar na corrida pelo melhor site, visto que é neste canal que as vendas poderão crescer mais ao ir ao encontro das necessidades específicas do consumidor com pouco tempo, que se gosta de manter informado e de não ser pressionado para a compra, etc.

Espero que também vocês se deixem entusiasmar por este site!

quarta-feira, 7 de julho de 2010

WebMkt 2.0? Não, pelo menos 10.0!

Tentando aproveitar o balanço proporcionado pelo estudo e pelas inúmeras contribuições de exemplos e aventuras no marketing electrónico e virtual, não posso deixar de propor em jeito de fim de processo (pelo menos nesta fase) e de ano lectivo, associado a este período de descompressão (de aulas, claro, não de trabalho, pois esse continua), uma nova abordagem à forma como as avaliações decorrem numa faculdade (poderia ser numa qualquer escola do ensino secundário, mas enfim, neste momento é o que está mais próximo). Assim, a proposta que a seguir descrevo, tem a ver com as ferramentas disponíveis para, comunicar, promover e adquirir uma nota a uma dada disciplina. Utilizei Web Marketing como poderia ter usado outra qualquer… a professora Dr. Teresa Fernandes que me perdoe e não me penalize na entrega já feita. Ora reza assim:

Isto de fazer testes (conteúdo de conhecimento), em papel (suporte físico), numa sala (estrutura física), só a nota é publicada On-Line: é antigo, é Web 0.0, assim, coisa do século passado. Proponho então saltar para uma versão mais moderna: vamos começar por criar um site dedicado à avaliação, sugiro: www.vouteavaliaretalvezpassar.com

O teste decorre On-Line e o consumidor, perdão, o aluno, pode fazê-lo confortavelmente instalado num sofá, numa cadeira de uma explanada, em férias, até na cama! Logo bem cedinho, ou numa noite de insónia. E porque não a apreciar um belo petisco a olhar para o ecrã de forma bovina?

Tal como com o Blended Marketing, a componente off-line da avaliação seria o trabalho executado em grupo ou individual, com exposição colectiva ao grupo de consumidores, perdão, alunos – eles poderiam constituir uma verdadeira tribo, em torno da disciplina, onde o interesse seria óbvio: passar com a melhor nota possível.

Juntamente com o site, outros canais poderiam potenciar a comunicação entre a professora e os seus alunos, incorporando um movimento interactivo, em tempo real, rápido e eficaz, dos bens de avaliação. Por exemplo: o blog, com notícias, exemplos, estudos de caso, e ferramentas do programa disciplinar, discutidos, também nas redes sociais. No twitter as contas tinham que ser alimentadas com informação relevante sobre a disciplina, onde eram colocados, semanalmente, por exemplo, os temas do período correspondente, e todos os dias o consumidor, perdão, o aluno, ira comentando e seguindo, completando a informação com pequenos destaques relevantes para a comunidade.

No facebook, os mais os 1327 amigos de Web Marketing, trocariam além das informações obscenas dos homens mais interessantes e das amigas mais sexy, ou sob qual é a melhor banda, ou outros gostos e sabores, a ver se havia pontes de comunicação e interesse, mas agora sob ferramentas de marketing. O jogo agora, não é trocar galinhas e porcos por limões e repolhos, mas por misturas de técnicas numa abordagem a questões colocadas no site de avaliação. Por exemplo:

Xaninha:

Olá, tou que nem posso… vim da praia e estava vento. Ah. Ajudem-me: medir o preço numa estratégia de foco na diferenciação é relevante do ponto de vista do mercado, quando estou numa de colocar um produto novo?

Luzinha:

Também estou. Mas gosto! Diferenciação ou foco no custo? Na sei.

Se gostas dele eu deixo… mas nada de sapatos iguais aos meus!!!!!

Xaninha

Não! É de Mkt!

Joka

Eu posso ajudar, mas logo há noite…….. eh eh eh. Bjs pás duas!!!!!!

Luzinha

ADOOOOOOOROOOOOOO-TEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE! Gostei! Mas os sapatos na CalsoKa são o máximo! E 1 preço mínimo … de 100$$$ nos saldos!!!

Gosto Comentar

O maior número de contribuições poderia, por exemplo, contar com uma parte da nota ou uma redução das tarefas propostas de avaliação.

Este movimento seria acompanhado por um cartão de pontos, benefícios aos maiores contribuintes na divulgação e difusão. O word-of-mouth faria o resto, mantendo elevados os níveis de informação. Num verdadeiro fenómeno de crowdsourcing, os consumidores, alunos, poderiam lidar directamente com o fornecedor (da nota), e os usuários das redes sustentariam a reintermediação, com sugestões, opiniões ou mesmo dando respostas totais e definitivas.

Poderia até, surgir alguém com capacidade de recolha de informação e de selecção de respostas que colocaria à disposição dos utilizadores através de um blog (ou mesmo de um site): andacapassar.blogspot.com. Alguém mais vocacionado para essa coisa do empreendedorismo, poderia, por exemplo, desenvolver sistemas de resolução de testes, potenciando o conhecimento de outros, o cliente (aluno), não pagaria o conjunto de respostas ou explicações. Pagaria apenas uma comissão sobre a nota final, por exemplo, se tivesse um dezasseis, pagaria 16 EUR. Mantendo baixo o preço, choviam clientes, alunos, perdão, consumidores.

Mas os meios na internet não estariam esgotados, sem, por exemplo tomar a melhor apresentação off-line, que seria gravada em filme, num pequeno e musicado spot, que era colocado no YouTube (e no site), contribuindo com mais alguns pontos para os seus executantes.

Teria que se evitar os emails, banners e pop-ups intrusivos, por exemplo, exigindo saber métricas de avaliação, ou de medidas estatísticas de segmentos, o que é sempre complicado e usurpador das nossas liberdades de informação. Este seria o verdadeiro spam.

Mas banners e widgets divertidos, com dicas sobre uma ou outra definição do marketing, seriam bem-vindos e atraentes. O maior interesse adviria da capacidade de nos ajudarem a resolver o teste On-Line. Por exemplo:

Q: O MKT Tribal é:

R: A – Vermelho; B – é uma técnica que recorre a redes sociais…; C – Campeão nacional 2009/2010

(Haveria docentes que, em qualquer das respostas, tomaria a totalidade da cotação)

E como seria o teste?

Bom, seguindo o fenómeno da Cauda Longa e as inteligentes observações de Chris Anderson, as questões seriam colocadas no site e o usuário seleccionava apenas as que lhe interessavam, formando o corpo de um teste. Quanto maior o coeficiente de dificuldade levantado pela questão, maior o seu valor para nota. Logo, muitas questões fáceis, numa dada quantidade n, poderiam constituir o valor da nota total. Enfim, obedecer à regra 20/80…

Mas também seria free. Seguindo esta técnica, poder-se-iam fornecer parte das questões mais complexas, por gradação das mesmas ou completando uma questão mais aberta, onde parte da questão estaria desenvolvida para depois ser completada.

Mas esta ligação poderia ser potenciada, não só com valores de classificação, mas também com bilhetes para ir ao cinema ou ao circo, por exemplo.

Mas nada disto fará sentido se não se proceder à fidelização do aluno. Numa técnica de IDIC, o site poderia ser a porta de ligação a um CRM, onde estariam colocadas as diversas informações sobre o aluno e de relevância para a disciplina, por exemplo, com sistemas de informação onde corressem os diversos dados recolhidos do aluno compreendendo intervenções no site, no blog, no twitter. Avaliações em outras disciplinas, características do consumidor relevantes, como nº de citações de livros de marketing electrónico, etc.

O consumidor, perdão, o aluno, que participasse activamente, pelos diversos exemplos apresentados, seria beneficiado por um cartão de pontos virtual com direito a prémios e a componentes de avaliação. Este sistema teria em conta a fase de diferenciação, por exemplo, por categorias do tipo: aluno Bem Safo (15%), Quase Safo (60 %), e Isto Está Mau (25%). Este último encontra-se pouco fidelizado, mas mantém alguma lealdade até poder substituir a disciplina (não vá o Mefistófeles tecê-las).

Mas o primeiro segmento de alunos pode ser alvo de redobrado interesse, mantendo, por exemplo elevadas as visitas e idas ao circo da publicidade, com o atractivo das agências de publicidade e das associadas agências de modelos (presumo até que, neste tipo de envolvimento emocional, cairiam os do grupo 3…)

Este elevado potencial relacional pode trazer o consumidor, perdão, o aluno, no limite, para o mundo do Marketing, desejando-se que seja o melhor, para se tornar num marketer de referência.

Mas imaginemos que, por ventura, isto não traria sucesso no negócio da avaliação, perdão, ao sucesso da aprendizagem. As ferramentas não acabaram: poderia ser utilizado um movimento de marketing de guerrilha ou flashmob, por exemplo: Um grupo de seleccionados modelos, que transparecessem os típicos aluno e aluna, dançariam e cantariam o “I Gotta Feeling” dos Ervilhas com olhos. E transportariam cartazes com forte carácter ecológico e de responsabilidade social, dizendo: CHUMBO NÃO! O CHUMBO POLUI! E isto filmado em vídeo à porta da casa da professora!

Depois o movimento poderia passar para a porta da faculdade e quiçá para a porta do gabinete da professora, agora participado pelos seus alunos e … vá lá colegas mais vocacionados para a dança.

Isto é, viral.

Finalmente esta nota, que presumo, estará na mente de um qualquer professor, “Ah… Mas esta informação. Em tamanha quantidade e profusão, diversificada e partilhada, não é propriamente conhecimento. Assim, não...”

E é que não tem razão! Mas esse é o mundo onde temos vivido, sempre a apostar na capacidade de replicar o que se faz e aprende, e de forma cumulativa… E a Internet não é diferente, trata-se apenas de uma questão de volume, no limite é o chamado efeito pastilha elástica, só que aqui, neste imenso mundo, é partilhada por muitas bocas… O que vale é que vão aparecendo diversos e novos sabores, e sempre à dimensão de cada um. Ou de cada tribo.

Engraçado pormenor que o esforço relacional do marketing foi descobrir: há dez mil anos atrás andávamos em grupo a caçar e a recolher tudo o que pudesse ser comido no momento. Não esperávamos muito do amanhã, a não ser uma caverna, uma boa caça e um outro vegetal açucarado. E com esse sonho nos deitávamos todas as noites.

Mas um dia, num belo dia (como começam todas as fábulas que pretendem um final feliz), começamos a cultivar cereais e a recolher os animais mais mansos e saborosos e ficamos mais gordos e com a natureza à beira de um ataque de nervos.

Hoje, dez mil anos depois da primeira colheita, andamos em grupo, a recolher tudo o que pudemos usar no momento e o que esperamos do amanhã é alguma certeza.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

RSS Como Ferramenta de Marketing

O RSS - Real Simple Syndication – é uma tecnologia que permite um acesso simples, prático e controlado a informação que é regularmente actualizada. A informação a que o utilizador recebe é inteiramente escolhida por este através de uma simples subscrição à página (que deve ser capaz de fornecer RSS Feeds) da qual pretende receber as actualizações. A informação é agregada por um tipo de programa conhecido como Feed Reader ou Agregador o qual verifica periodicamente as páginas subscritas e avisa o utilizador sobre novas actualizações.



Disto resultou que esta tecnologia começasse por ser usada em blogues e páginas de notícias. Com o passar do tempo e a crescente adesão a este método de acesso à informação, começaram-se a notar as potencialidades desta tecnologia na área do Marketing. De facto as empresas podem e estão a utilizar este meio para, por exemplo, alertar potenciais consumidores sobre a disponibilidade de novos produtos ou alterações de preços. Exemplo disso é por exemplo a página Ebay.com. Como se pode ver na imagem seguinte onde foi subscrita a categoria de “DVD’s” e usado o Google Reader como agregador.



É de salientar que este modelo Publicador/Subscritor faz com que esta seja tecnologia do tipo Pull ao contrário das tecnologias Push, já que é o utilizador quem escolhe a informação que pretende receber. Isto traz o benefício aos consumidores, de lhes permitir afastar da tempestade de informação com que são confrontados hoje em dia na Web (banners, spam, etc.), permitindo um acesso mais selectivo à informação.

Mensagem de Boas Férias

Este Blogue é uma Animação!

A todos os contribuidores, seguidores e comentadores

O Blogue de Web Marketing e Comércio Electrónico foi iniciado em Março deste ano no âmbito da disciplina dos cursos de mestrado MGS, MEGI e MEGIN da FEP.

O Blogue foi pensado com o objectivo de constituir uma ferramenta pedagógica adicional de natureza interactiva. Ao contribuir para a aprendizagem, discussão e alargamento de conceitos abordados nas aulas, o Blogue permitiu dinamizar a disciplina através da partilha de informação e da participação de todos os envolvidos e de toda a comunidade web, numa lógica "wiki" ou peer-to-peer.

Julgo (e penso que julgamos todos) que estes objectivos foram plenamente atingidos, tendo sido até superadas as melhores expectativas. O crescendo de quantidade e qualidade verificado ao longo destes últimos meses é prova disso mesmo.
Claro que este resultado não seria possível sem o mérito e a colaboração de todos, que permitiu criar um verdadeiro fórum de discussão sobre Web Marketing com as mais actuais e interessantes tendências na área. Um autêntico Blogue de equipa! Quando a aposta é vitoriosa, a vitória é de todos. Parabéns!

O Blogue irá manter-se no activo, não só no próximo ano lectivo e no âmbito da disciplina, mas também para todos aqueles que pretendam continuar a contribuir. Agradeço também quaisquer sugestões de melhoria que, como utilizadores regulares, queiram propôr.

Mais uma vez, obrigada pela colaboração de todos
Boas férias e até sempre
Teresa Fernandes

Marketing Viral da Samsung



Nesta imagem está orangotango que fotografa o dia a dia do que o rodeia, no zoo na Áustria, e manda fotos directamente para Facebook.

Esta acção chamou muita atenção na rede social e Nonja, orangotango de 33 anos, ganhou mais de 80 mil fãs no Facebook.

Esta acção de Marketing Viral faz parte da campanha publicitária da câmara digital ST 100 da, uma novidade da Samsung com Wi-Fi, GPS e Bluetooth.

quinta-feira, 1 de julho de 2010

100 marcas mais sociais

As empresas estão cada vez mais preocupadas com a imagem que passam na internet e, sobretudo, nas redes sociais. Desta forma, assistimos a fortes investimentos por parte das empresas na publicidade feita nas redes socias. A empresa americana Vitrue, especializada em redes sociais, divulgou a lista de marcas mais sociais de 2009.

Segundo dados da eMarketer, das 500 maiores empresas classificadas pela revista Fortune, as marcas que não estão em redes sociais representam apenas 9% do total.

No Top da lista, encontramos marcas como iPhone, Disney, MTV, iTunes, Apple, Xbox, Nike, Starbucks, PlayStatio, Adidas,Sony, Samsung, muitas delas frequentemente mencionadas nas aulas da disciplina de Web-Marketing.

Cada vez mais, as empresas têm a preocupação em divulgar as suas marcas nas redes sociais, interagindo com os consumidores, conseguindo uma adesão gigantesca por parte do público sobretudo através de fenómenos de Marketing Viral e Marketing Tribal.

Segue em baixo a lista completa das 100 marcas mais sociais:

1. iPhone
2. Disney
3. CNN
4. MTV
5. NBA
6. iTunes
7. Wii
8. Apple
9. Xbox
10. Nike
11. Starbucks
12. NFL
13. PlayStation
14. Adidas
15. BlackBerry
16. Sony
17. Mercedes
18. Microsoft
19. Samsung
20. BMW
21. Nintendo
22. Best Buy
23. ESPN
24. Ford
25. Honda
26. Ferrari
27. Gucci
28. Nokia
29. Major League Baseball
30. Dell
31. Coca-Cola
32. CBS
33. ABC
34. iPod
35. Mac
36. Turner
37. Nissan
38. Toyota
39. eBay
40. Amazon
41. Victoria’s Secret
42. Nutella
43. NASCAR
44. Disneyland
45. Audi
46. NHL
47. Red Bull
48. Verizon
49. Intel
50. Subway
51. Hewlett-Packard
52. Puma
53. Kia
54. Fox News
55. Porsche
56. Jeep
57. Dodge
58. Pandora
59. Walmart
60. Zappos
61. Suzuki
62. McDonald’s
63. Krystal
64. T-Mobile
65. Skittles
66. KFC
67. Volkswagen
68. NBC
69. Sprint
70. Pixar
71. Motorola
72. IKEA
73. Pepsi
74. Cisco
75. REI
76. LG
77. AT&T
78. Converse
79. The Gap
80. Chevrolet
81. Louis Vuitton
82. Toys”R”Us
83. H&M
84. Philips
85. General Motors
86. Pringles
87. Visa
88. Prada
89. Panasonic
90. IBM
91. VH1
92. Hulu
93. Oracle
94. Burberry
95. SEGA
96. Sears
97. Avon
98. Jet Blue
99. Lacoste
100. Comcast

iPad apresentado pelo Steve Jobs

Este vídeo de 3 minutos agrega os melhores momentos da apresentação do iPad feita pela Steve Jobs. O iPad é o primeiro tablet PC da Apple, que permite explorar páginas da internet, escrever mensagens de e-mails, ver filmes ou fotografias num enorme ecrã Multi-Touch.

video