sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Smart SMS - um novo canal de comunicação

Chegou um novo canal de comunicação: a Smart SMS!
Criada por uma empresa portuguesa, a E-goi, este novo serviço permite a gestão das campanhas web por telemóvel, mas também por email ou nas redes sociais.

Aqui fica o vídeo promocional:
video


Podemos constatar que um SMS é simples, de reação rápida e de fácil leitura mas limitado a texto, de contexto curto e sem iteração ... contudo, sabemos que a maioria dos telemóveis já são smatphones e que cada vez mais o acesso à internet é feito a partir destes aparelhos móveis. Assim, a Smart SMS vem aproveitar este facto e criar uma nova forma de iteração, no sentido em que permite saber se "a mensagem foi ou não entregue, quem a leu, quem clica, quem responde e quem descarrega o conteúdo".
Através de uma mensagem com imagem e informações de promoções,por um lado o cliente pode aceder ao produto e vouchers promocionais e, por outro,  a empresa pode também enviar um questionário para completar o perfil do seu cliente e saber as suas preferências.

O exemplo dado pela marketeer é o de uma perfumaria que quer fazer um desconto num determinado perfume." Com o SMS normal só poderia enviar texto. Mas com o Smart SMS o consumidor poderá ver a imagem do próprio produto ou até mesmo o QRCode ou código de barras para validar imediatamente o desconto na loja. O mesmo cliente poderá compartilhar o seu Smart SMS nas redes sociais tornando o desconto viral e aumentando exponencialmente o brand awareness e o potencial de venda do produto."

A Smart SMS poderá ser uma alternativa ao marketing por email pois através deste a empresa corre o risco de o consumidor não ler ou não consultar o email regularmente ou até ir para a caixa de spam.


Noticia em: http://marketeer.pt/2014/02/26/smart-sms-ja-e-uma-realidade/

Funalcoitão: a funerária que nada recusa a um morto



A jovem funerária, Funalcoitão, quer que os funerais "não sejam tão negros e pesados", tal como revela o vídeo.
Um procissão faz juz  às palvras de  Mário Sá Carneiro em "Fim": 
"Que o meu caixão vá sobre um burro Ajaezado à andaluza... A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro."
"A um morto nada se recusa". 
A Funalcoitão pretende diferenciar-se pelo preço, estratégia, nas formas de divulgação e na própria realização dos funerais, onde pretendem romper com o tradicionalismo português.
Objetivam chegar às pessoas mas sem chocar.  As suas formas de comunicação são através da publicação de anúncios em jornais locais, passa-a-palavra e também pela Internet.O vídeo irrompeu nas redes socias há cerca de um mês e está a tornar-se viral.
 O fato de ser algo insólito e diferente está a fazer com que muitos utilizadores das redes sociais partilhem pela sua rede de contatos e disseminem a mensagem, word of mouth.
Acho que na generalidade é uma estratégia de marketing que poderá não ter o sucesso esperado, devido às caraterísticas socio-culturais demarcadas na sociedade portuguesa. Contudo, se o foco for um determinado nicho de mercado,  sobretudo pessoas com mais abertura, a ideia poderá vingar.

E vocês o que acham desta estratégia de Marketing?

Seguro de saúde para nativos digitais

"Oscar" - um seguro de saúde lançado por uma startup sediada no Silicon Alley em Nova Iorque.
Este seguro procura ser diferente, dando ao consumidor o controlo, focando a sua área de atuação no online, na interatividade e apostando num design operacional. Pretende também que a experiência do consumidor passe por um uso fácil do seguro de saúde.
O produto parece estar orientado para um nicho de mercado caracterizado por um público jovem, urbano e com relativa educação.



Para usar o seguro, o cliente deve registar-se no site Oscar (https://www.hioscar.com/), o que lhe permitirá ter acesso 24h a um serviço de consulta médica e a uma cronologia (estilo Facebook) dos seus episódios clínicos no médico, hospital, farmácia, etc.

"Users are able to consult with doctors for problems like the flu over the phone (Oscar claims conversations take place within an hour of registering online) and the insurer's site offers a good search functionality for specialists. On the Oscar homepage, first care issues listed include pregnancy, depression, asthma, flu shots, back pain, and acne. (...)
Much like other insurance providers, Oscar collects metrics on medical professionals for performance reviews--but uses them for customer recommendations as well. Using Oscar's web front end, consumers can see whether individual doctors predominantly treat patients in their twenties or thirties, what language the doctors speak, and other metrics."

O seguro Oscar é portanto um exemplo de um produto destinado a uma geração net que, como vimos na aula de hoje, se caracteriza por "viver o momento agora" e por procurar produtos/serviços imediatos, fáceis, adaptáveis e personalizados.

 
Notícia em: http://www.fastcompany.com/3026928/tech-forecast/oscar-is-a-health-insurance-startup-for-digital-natives

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

The best advertising isn’t advertising



Vivemos numa geração altamente comunicativa e interativa. Neste contexto, o digital storytelling ganha uma dimensão crescente. Não é nada mais, nada menos do que a arte de contar uma história na web, através de um vídeo, da escrita num blog, de slideshows, entre outros.
Toda e qualquer história prende a atenção do recetor, seja porque se identifica, seja porque não se revê de todo. O objetivo é a partilha dessa história e o WOM que se gera. Até as grandes marcas de luxo, que apresentavam relutância a entrar na web massificada, estão já rendidas a esta forma de publicidade subtil. Os seus clientes são por norma pessoas de altos cargos profissionais e portanto com uma vida demasiado ocupada para viver a experiência de consumo na loja. Deste modo, a experiência vai sendo passada através do digital storytelling e com isto, já se captaram 5 minutos de atenção que de qualquer outra forma seria difícil.
As histórias devem representar, antes de mais, desejos ocultos. Desejos estes que devem ir de encontro aquilo que o nosso público alvo pretende atingir. Assim, este grupo de pessoas, que partilha os mesmos valores, irá rapidamente identificar-se, partilhando, “tweetando”, fazendo download, etc. Quase que inconscientemente o brand engagement começa a funcionar por si só…
A Louis Vuitton fez isto na perfeição! Em vez de focar a sua campanha numa viagem para um determinado local, focou-se na jornada da vida apresentando um vídeo com uma forte carga emocional que chega ao consumidor de uma forma mais próxima do que qualquer outro meio de comunicação podia chegar.


“Stories are the best way for a brand to engage their target audience.  Stories involve people, emotions, and tons of sensory details; all the things that a brand could use to trigger emotional responses.  And emotional responses can lead to brand loyalty, which ensures a more consistent stream of revenue for a brand.”


quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

MeshApp, um dos quatro finalistas no concurso Building Global Innovators




A MeshApp é uma aplicação digital que permite ao utilizador organizar conteúdos das contas sociais, ligações a notícias ou correio eletrónico numa única página, no computador ou nos aparelhos móveis, conforme anunciado pela RTP:

Este produto desenvolvido na Universidade de Aveiro poderá ser muito útil pois permite ao utilizador, conforme a notícia indica “…possibilita consultar a internet sem saltar de aplicação em aplicação e organizar de uma forma centralizada os vários instrumentos, das contas sociais, às ligações a notícias, correio eletrónico ou, no futuro, a empresas ou marcas escolhidas.O utilizador pode escolher funcionalidades e uniformizar a apresentação, tendo, por exemplo, as mensagens organizadas por origem, passando a receber todos os textos enviados por determinada pessoa no mesmo espaço, independentemente da aplicação utilizada (hotmail, gmail, facebook, twitter), ou marcar informações para serem vistas mais tarde.”
De facto, esta app irá simplificar ao utilizador o acesso à informação pretendida que obtém de vários sítios.
Um projecto inovador e com marca portuguesa!

Cantora VIP faz marketing de guerrilha a produtos de limpeza

Como já se tem vindo a falar tanto de marketing de guerrilha - o qual é do meu agrado pessoal -, redes sociais e personalidades como rosto de certas marcas, decidi colocar aqui o seguinte link de uma notícia: http://www.administradores.com.br/noticias/cotidiano/bombril-lanca-campanha-com-ivete-sangalo/84346/

Como podem ver, a Ivete Sangalo que é uma cantora de música brasileira vai ser o rosto da marca Bombril durante o ano transato! Mesmo esta mulher tendo uma carreira duradoura e com sucesso a nível musical, não acho pertinente como personalidade escolhida para fomentar ações de marketing digital nas redes sociais e principalmente de guerrilha, visto estar programado durante a festa de Carnaval ela cantar a música representativa dos produtos de limpeza juntamente com o seu público.


Sou apologista do marketing de guerrilha mas com bom senso. Como já tinha comentado numa publicação anterior da Sara Guimarães, os marketeers devem estabelecer uma estratégia com pés e cabeça. Agir pelo sucesso e popularidade pode não ser um caminho fiel à realidade e dessa forma devem pensar adequadamente na personalidade escolhida. Neste caso, justificaram a escolha da Ivete Sangalo como sendo uma mulher de força, mas a limpeza é uma das atividades praticamente diárias de uma habitação familiar e não é a cativar com bailes de Carnaval que se consegue atingir o público principalmente porque este tipo de produto na sua maioria é escolhido pelo preço (preferindo muitas vezes marcas brancas) e não pela notoriedade da marca. Realmente, como a professora Amélia Brandão de Gestão da Marca já comentou: "A sanita não se queixa".

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Agora no Prós e Contras

Os Prós e Contras do Facebook. Dez anos depois, quais as consequências?Como está a mudar a sociedade?Os benefícios e prejuízos da rede social mais utilizada no mundo e também em Portugal. Está o Facebook a revolucionar as nossas vidas?


O que acham desta nova forma de viver, onde a felicidade muitas vezes é medida por "likes"?

Deixo-vos aqui este vídeo:

Apple Is Already Building Its Next Massive Business And No One Seems To Have Noticed

Boa noite!
Deixo-vos aqui um excerto de um artigo interessante sobre a Apple, cujo conteúdo me surpreendeu bastante.

"Spot quiz: What is Apple's fastest-growing product by total dollar sales?
If you thought iPhones or iPads, you'd be wrong. Growth of both of those is in decline.
It's actually e-commerce — via iTunes, iBooks and the app stores. Sales of extra, non-Apple "stuff" via Apple's products were up 19% to $4.4 billion in Q1 2014.
This business is one of Apple's smaller lines, of course. But it's still impressive: If there was a standalone tech startup that was doing greater than $16 billion a year in digital e-commerce sales, and growing at nearly 20% a year, everyone would be talking about it.
It would be the hottest company on the planet. It certainly dwarfs Zappos, an e-commerce company whose last reported annual revenues were just over $2 billion. (...)

On his last earnings call, Cook talked about this specifically:
In general, we’re seeing that people love being able to buy content, whether it’s music or movies or books, from their iPhone, using Touch ID. It’s incredibly simple and easy and elegant, and it’s clear that there’s a lot of opportunity there.
The mobile payments area in general is one that we’ve been intrigued with, and that was one of the thoughts behind Touch ID. But we’re not limiting ourselves just to that. So I don’t have anything specific to announce today, but you can tell by looking at the demographics of our customers and the amount of commerce that goes through iOS devices versus the competition that it’s a big opportunity on the platform.
If Cook had made exactly the same statements about watches or TVs, everyone would have freaked out. Apple fanboys would be jumping for joy.
But because he's talking about the dull-but-lucrative business of retail, everyone is ignoring it. In terms of mobile retail, Apple is already ahead of Google and Android. Even though more people own Android phones, most shopping gets done on iPhones. That is probably what Cook is referring to when he refers to "the amount of commerce that goes through iOS devices versus the competition that it’s a big opportunity on the platform."

Artigo Completohttp://www.businessinsider.com/apple-ecommerce-and-mobile-payments-plans-2014-2#ixzz2uHYXAZlo

Quem diria que uma empresa claramente vocacionada para inovação ao nível de produtos se está a evidenciar via canal de distribuição (digital neste caso). Mais uma, entre muitas, oportunidades que a internet e a "era digital" trouxeram e que, como ninguém, a Apple soube claramente aproveitar.

Catarina Furtado endossa nova marca de dermocosmética


A apresentadora Catarina Furtado é o rosto da marca Anjelif em Portugal. A marca Anjelif é a primeira linha de dermocosmética composta por uma molécula de origem marinha que possui propriedades capazes de ativar os mecanismos de renovação celular da epiderme, o que permite o retardar do envelhecimento da pele.
Esta técnica de marketing de endossar figuras públicas e celebridades em ações de comunicação de uma determinada marca é uma estratégia que pretende alavancar o valor da marca e que esta seja reconhecida pelas massas.
A escolha de figuras públicas e celebridades como imagem de marca  deve-se ao fato de estas serem reconhecidas pela sua beleza, dinheiro e sucesso.
Assim as marcas pretendem focar-se mais no lado emocional do seu público alvo e  fazer com que estes se identifiquem com determinados  atributos das figuras publicas e queiram adquirir os produtos publicitados.

Acho que é uma estratégia bastante eficaz e com elevado retorno para as marcas. E vocês o que acham? Também já compraram algum produto, serviço só porque se identificam ou admiram  a figura pública/ celebridade?

Cinco tendências segundo a OMD para 2014

A OMD, agência de Meios, realizou  um estudo onde explora  as cinco principais tendências para o mercado português. Tendências essas que devem ser seguidas pelas  empresas que pretendem alcançar mais visibilidade, atenção e sucesso por parte do público-alvo no que diz respeito às suas campanhas de marketing e publicidade.
Tal como sabemos, cada vez mais as empresas tentam afirmar-se a partir do mundo virtual, onde empregados conduzem negócios a parir de dispositivos móveis (tablets, smartphones).
Indubitavelmente, que o ritmo de negócio sofreu muitas mutações, no entanto para poderem acompanhar esta mudança as empresas tiveram que se ajustar às exigências do mercado e de arranjar formas de estar mais próximas dos seus empregados, clientes, parceiros bem como fornecedores.
Nesta sequência a Internet e as suas potencialidades permitiu que tudo isto se tornasse possível.
 Com a crescente popularização das redes sociais, a informação tem-se propagado de forma veloz, chegando a um maior número de utilizadores.
O objetivo das marcas é essencialmente "viralizar" os seus conteúdos e chegar rapidamente ao seu público alvo, com o intuito de tornar a marca uma referência e líder em um nicho de mercado. Para isso é necessário que o conteúdo da mensagem seja criativo, relevante e apelativo,com o propósito de  disseminá-la, criando consequentemente um word of mouth positivo.
A ubiquidade da Internet e a sua crescente utilização pela população a nível mundial, tem permitido tornar virais muitas marcas que até algum tempo eram desconhecidas ou pouco apreciadas.
Os dispositivos móveis  têm alimentado este fenómeno e contribuído para a criação de vínculos sociais.

As principais tendências são as seguintes:

Consumidor cada vez mais mobile - há cada vez mais um utilizador omnipresente, que sente necessidade em estar permanentemente conectado e principalmente às redes sociais (Twitter, Facebook).

Abordagem omni-canal -  Conjugar o offline e as atividades de marketing online é mais do que reforçar a presença da marca, é tentar criar posicionamento na mente dos consumidores. É aprofundar a experiência do consumidor e implementar estratégias de up-selling e cross selling,  de modo a reforçar a relação com os clientes. "Criar o processo de compra all-in-one deverá ser o principal desafio para os players do sector”.

Domínio do second Screen - As marcas devem criar “criar experiências cruzadas e multitasking que façam um upgrade da relação emocional através da conversação e interação em torno dos conteúdos da marca”. “Os media devem ser pensados como pontos de encontro e as marcas deverão equacionar como escolhem os media com base nas relações mais personalizadas que estes conseguem construir com os consumidores e não apenas tendo em conta o respectivo papel ao longo do processo de compra”,

Conteúdos - Mensagens curtas e concisas que gerem impacto na audiência é o objetivo primordial.  A relevância e interesse da mensagem  são pontos fundamentais para que os utilizadores disseminem a informação pela sua rede de contatos.

Descontos - as promoções e descontos são prioritários para o consumidor. As marcas devem apostar neste tipo de estratégias, e focar-se numa estratégia que traga mais benefícios emocionais em oposição a benefícios funcionais.

Concordam que estas sejam as principais  tendências para o mercado português este ano? Qual a vossa opinião acerca delas?
Mais pormenores da notícia em Meios & Publicidade: http://www.meiosepublicidade.pt/2014/02/2014-cinco-tendencias-segundo-a-omd/

"Social Currency" na Pop-Up Store da Marc Jacobs


Nos passados dias 7 a 9 de Fevereiro, a Marc Jacobs teve aberta a sua pop-up store (loja temporária) em Manhattan, dedicada à promoção da fragância Daisy. O horário de funcionamento coincidiu estrategicamente com a abertura da New York Fashion Week.

No entanto, ao contrário da maioria das lojas, as compras podiam ser feitas com tweets, fotos no Instagram ou posts no Facebook - ou seja, "social currency". As publicações dos clientes eram projetadas num ecrã gigante na loja que ia sendo atualizado a cada 30 segundos. Os clientes que o fizeram receberam prémios variados, tais como colares, perfumes ou até malas. Quanto mais originais, melhores os prémios. Para além dos prémios, quem visita a pop-up store habilita-se também a sessões de maquilhagem gratuitas e pode ainda tirar "selfies" na cabine fotográfica própria para o efeito (que depois pode, claro, partilhar).

Esta ação promocional seguiu-se à distribuição de margaridas nas ruas de NYC, Berlim e Londres (http://www.youtube.com/watch?v=yEDSVBn0Dzg), e será acompanhada por meios mais tradicionais - "blended marketing" - como anúncios televisivos filmados por Sofia Coppola e inserções na imprensa.

Fazer compras com um simples hashtag...será que ainda é o dinheiro que "makes the world go round"...? Mais detalhes na notícia da Mashable: http://mashable.com/2014/02/06/marc-jacobs-tweet-store/

domingo, 23 de fevereiro de 2014

DOUBLE GRILL&BAR – OUTDOOR GRELHADO

Para promover a abertura de um novo restaurante, a agência russa Voskhod decidiu “grelhar” literalmente carne num outdoor!
Double Grill&Bar Ad:
Fase 1
Fase 2
Fase 3
Fase 4

Sou fascinada pelo marketing de guerrilha, e vocês o que acham deste anúncio? 

As Táticas de Marketing Intrusivas da PT Comunicações

sábado, 22 de fevereiro de 2014

Principal causa de Burlas Online é a falta de conhecimento dos utilizadores

Hoje em dia, com um simples clique é possível efectuar compras online e aceder
às nossas contas bancárias, entre outros. A facilidade com que a Internet disponibiliza um conjunto de serviços sem sair do lugar, sem se deslocarem às lojas ou instituições, atrai cada vez mais utilizadores. Mas será que estes utilizadores estão alertados, informados e consciencializados dos perigos que correm pela utilização da internet para este fim?

Mostro-vos uma notícia do Jornal de Notícias que nos mostra que, por exemplo, as instituições bancárias têm-se esforçado para proteger e alertar os utilizadores mas parece ser insuficiente, pois fenómenos de “phishing” continuam a ocorrer:

Ao ler esta notícia surgem-me duas questões.
Em primeiro lugar, Utilizadores deste tipo de serviço serão maioritariamente pessoas com formação, pelo que se espera que procurem informação sobre os perigos da utilização errada deste tipo de sites. Será porque desconhecem a existência de perigos pois como são sites de instituições creditadas não creem que sejam possíveis alvos de ataque de “phishing” ou porque simplesmente ignoram a sua existência embora saibam que é possível?
Serão apenas as autoridades e instituições bancárias as responsáveis pela distribuição massiva de informação sobre a utilização do serviço online e criarem todo o tipo de assistentes online para garantirem a segurança de quem utiliza os seus serviços  ou será também responsabilidade do utilizador procurar informação para que não cometa erros que possam pôr em perigo a sua segurança?

Sem dúvida que este tipo de serviços facilitam de uma forma drástica o acesso às nossas contas bancárias para quase todas as operações disponibilizadas pelos Bancos, sem termos que nos deslocar às instalações dos mesmos. Mas para que este serviço seja prestado e recebido com segurança é necessário que os esforços para que os utilizadores se mantenham actualizados e informados seja feito por ambas as partes.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Limites à Personalização?

O desenvolvimento das tecnologias da informação e comunicação tem vindo a revolucionar a forma como os negócios se relacionam com os seus clientes. Um bom exemplo da alteração deste paradigma é a crescente utilização das ferramentas de data mining. Esta é uma ferramenta muito interessante que permite as organizações observar os comportamentos dos seus clientes em relação a diferentes produtos e situações. Permitem criar situações favoráveis para o aumento de receitas e lucros, bem como aumentos dos níveis de satisfação dos clientes.
No entanto, a utilização deste tipo de ferramentas de personalização pode levantar algumas questões privacidade e em alguns casos, podem alcançar um patamar intrusivo no que diz respeito à intimidade dos clientes.

Um dos exemplos conhecidos que demonstra como, no limite, estas ferramentas podem ser “assustadoras” ocorreu com a empresa Target. Esta é uma empresa retalhista sediada nos Estados Unidos que tenta sempre retirar o máximo de informação dos dados que recolhe. Procura padrões desconhecidos de consumo que lhe permitem conhecer melhor as necessidades dos clientes. Foi assim que descobriu um padrão que lhe permitiu desenvolver um algoritmo que identifica o estado de gravidez das suas clientes.

he was able to identify about 25 products that, when analyzed together, allowed him to assign each shopper a “pregnancy prediction” score. More important, he could also estimate her due date to within a small window


A empresa consegue desta forma a vantagem de poder enviar cupões de desconto para produtos relacionados com cada etapa da gravidez.
No entanto, a Target percebeu que esta capacidade de previsão assustava os seus clientes. Existe um exemplo de um pai que descobre que a sua filha está gravida a partir dos cupões enviados pela empresa. (exemplo engraçado desenvolvido na noticia)
Sentiram assim necessidade de enviar cupões com esse tipo de produtos de forma mais subtil.

We started mixing in all these ads for things we knew pregnant women would never buy, so the baby ads looked random. We’d put an ad for a lawn mower next to diapers. We’d put a coupon for wineglasses next to infant clothes. That way, it looked like all the products were chosen by chance. And we found out that as long as a pregnant woman thinks she hasn’t been spied on, she’ll use the coupons. She just assumes that everyone else on her block got the same mailer for diapers and cribs. As long as we don’t spook her, it works.”

Podemos verificar que, a personalização pode tornar-se excessiva em alguns casos. As organizações devem possuir o “bom senso” e a capacidade de avaliar as necessidades e as expectativas específicas dos seus clientes, adequando para tal os conteúdos e as formas da sua comunicação. Sendo fundamental (por vezes) não dizer tudo o que se pensa, mas pensar em tudo o que se diz.

Noticia: (
http://www.forbes.com/sites/kashmirhill/2012/02/16/how-target-figured-out-a-teen-girl-was-pregnant-before-her-father-did/ )


A Coca-Cola ajuda a curar os viciados... em Redes Sociais!

Como é do conhecimento de todos nós, as redes sociais oferecem um leque de vantagens como é o caso da possibilidade da comunicação de forma constante. No entanto, esta vantagem poderá tornar-se num problema: o excesso de uso.
Deste modo, para que no longo prazo não estejamos perante uma população que apresente dificuldades de comunicação e, ainda, dificuldade em expressar os seus sentimentos na vida real, a Coca-Cola criou uma campanha de Marketing onde evidência as contrapartidas do uso excessivo das redes sociais.
A nova aposta da Coca-Cola consistiu na criação do Social Media Guard. Este guarda tem como função proteger as pessoas da dependência das redes sociais. Com esta mensagem, a Coca-Cola quer despertar as pessoas para o estabelecimento de relações no mundo real.


quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Mundial 2014: partilha a tua felicidade com a Coca-Cola

We want to discover people that have great ideas and a natural flair for telling a story in seconds."
Dave Stewart (Weapons of Mass Entertainment)

A Coca-Cola lança campanha que convida os consumidores a enviarem videos dos seus "momentos de felicidade" para integrarem o vídeo oficial da marca, "The World is Ours", para o Mundial de Futebol 2014.
Trata-se de um projeto em parceria com a Talenthouse. O vídeo final será revelado em abril. Site da campanha: http://www.talenthouse.com/submit-a-video-for-the-worlds-cup


A Coca-Cola procura assim:

. atrair e captar os consumidores, promovendo a comunicação e interação com a marca através da partilha de histórias reais nas suas campanhas; 
. associar a marca a sensações positivas e de felicidade;
. publicitar a marca, de forma rápida e com baixo custo, graças ao potencial viral da comunicação online.

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

A prenda do facebook

Este mês de Fevereiro é dedicado ao Facebook pelos seus 10 anos de existência! E para assinalar a data, a rede mais famosa do mundo decidiu oferecer aos seus utilizadores uma "viagem no tempo" através de um video personalizado, com uma colecção de fotografias com os melhores momentos do utilizador, desde que este se juntou à rede social.
Pois bem, Portugal também teve direito a um video! Ora vejam ...



Como vêm, o nosso país foi presenteado com um video que relata não os melhores momentos, mas os principais acontecimentos desde que Portugal entrou em crise: despedimentos, cortes salariais, de pensões ou na educação, troika, entre outros.
Este video é mais uma forma de manifestação utilizada para mostrar a indignação que a população portuguesa está a sentir ...  O que quero mostrar com este vídeo é que as redes sociais são um óptimo canal de comunicação que pode ser maximizado para chegar a qualquer canto do mundo, de forma gratuita e rápida. Para dinamizar o negócio, explorar ofertas profissionais e/ou pessoais, ou simplesmente para expor opiniões positivas e negativas, vendo diferentes pontos de vista, formas de pensar e diferentes culturas o que é certo é que tudo o que é dito/feito no Facebook tem alcances em larga escala... 
Desta vez o facebook foi usado para mostrar todo o descontentamento actual com o nosso país, mas concordam que a tendência é para cada vez mais movermo-nos num meio digital, onde as consequências devem ser encaradas de frente, com o que dizemos de bom ou de mau? O que acham de todo o potencial que esta rede social pode trazer, tanto para as empresas ou a nível pessoal? É ou não uma porta aberta para o mundo?

sábado, 15 de fevereiro de 2014

No São Valentim também interessa o Web Marketing!

Como podemos constatar pelo calendário, ontem foi dia de São Valentim. De qualquer das formas, na internet continuam a haver publicações sobre a nossa área de interesse: Web Marketing e Comércio Eletrónico. A título exemplificativo, coloco aqui uma hiperligação denominada Technology in Online Business Marketing: http://www.business2community.com/online-marketing/technology-online-business-marketing-0778919



Como é óbvio, colocar aqui um link não é o suficiente para vos esclarecer sobre a sua ligação com esta unidade curricular. Ao ler esta notícia, deparei-me com um forte impacto de três unidades curriculares: Sistemas de Informação e Negócio Eletrónico, Marketing de Serviços e Web Marketing e Comércio Eletrónico. Tal como eu, já devem ter concluído que há claras vantagens em termos aprendido Sistemas de Informação e Negócio Eletrónico graças ao esclarecimento sobre o CRM que permite a fidelização, retenção e gestão de clientes de forma eficiente tal como o Marketing anseia. Com isto, percebe-se que sem uma base tecnológica e uma atualização e acompanhamento da evolução das Tecnologias de Informação, nada poderá ser possível.

Como a notícia o afirma, a chave para o sucesso de um negócio ligado às tecnologias passa pela atualização mas não acho apenas o único ponto crucial a identificar, pois sobra ainda a inovação, criatividade e dinamismo. Numa geração de nativos digitais temos que ter consciência que quem não acompanha as tendências, fica desatualizado e é ultrapassado - não ganha vantagem competitiva.